Saiba Quando , Como e Porquê transplantar seu pé de canábis

O cultivador que deixa de observar o movimento da Lua e sua força sobre tudo o que está na Terra, não está realizando a melhor produção de flores que poderia. Ou seja, mesmo que esteja trabalhando com os melhores nutrientes vendidos no mercado e com a melhor aparelhagem de cultivo, se não se ajusta a atividade do plantio à influencia lunar, o resultado final pode vir a ser comprometido.

Só pra lembrar, este giro, gera uma força suficiente para mover, com facilidade, toda a massa de água dos oceanos. Mas algo que pouco se comenta, é que quando a Lua se move, também as águas do subsolo da Terra se encontram sujeitas aos movimentos de “subida” e “descida” parecido com o das marés.

O mesmo se pode dizer dos líquidos nos corpos dos animais, e das seivas no interior das plantas. Observe a figura 1:

Assim sendo, se vamos fazer uma pôda para que a planta se desenvolva e cresça, se recomenda usar o período em que as “águas” estão enchendo, pois o fluxo da seiva estará sendo impulsionado para cima; porém no caso de uma poda que retira folhas velhas ou partes doentes da planta e esta necessite de “cicatrização”, convém que a força lunar esteja empurrando o fluxo de seiva para baixo. Temos então a Lua adequada para germinar, para colher e para adubar por exemplo. Tudo baseado no magnetismo lunar de cada dia.

No caso do transplante(video), o ideal é esperar que toda a seiva (a energia da planta) esteja concentrada na parte de cima ( nas folhagens) (figura2) a fim de garantir que a mudança de vaso não traumatize as raízes.


Outra observação é fazer o transplante assim que a luz está por apagar, para que a planta tenha todo o período noturno para acomodar as raízes, sendo fundamental uma regada logo após o transplant
e.

Compartilhando esse artigo nas suas redes você deixa todo mundo saber que a cannabis salva vidas! E que é muito fácil cultivá-la e não financiar o tráfico armado.

© desde 2015 PazInfinita.com